domingo, 25 de julho de 2010

Prece a Nossa Senhora Aparecida

Prece a Rainha do Brasil

video

Nos tensos dias em que se encontram os brasileiros sob a ameaça de terem de se submeter ao novo plano dos "direitos humanos", surge uma bela oração que descreve a situação Brasil e pede a nossa Rainha Padroeira Nossa Senhora Aparecida que nos livre destes flagelos. Esta belíssima oração foi gravada pelo padre David Francisquini e por isso o Blog dos Defensores da Fé Católica se uni ele nesta prece as pés de nossa Rainha, na certeza e esperança que Ela nos livrará das garras do comunismo ateu e socialista disfarçado sob o título de plano nacional dos direitos humanos.

domingo, 18 de julho de 2010

Talis vita, finis ita

Pe. David Francisquini(*)

Posta a vocação para cuidar das almas, natural é que todos os chamados ao sacerdócio amem tal vocação e façam dela o eixo em torno do qual devem gravitar todos os seus ideais, preferências e atividades. O exemplo foi do próprio Homem-Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, Aquele que nos chamou.
É lugar comum entre os formados na nossa santa religião, o papel da família numa sociedade digna desse nome. A família constitui o fundamento da ordem que deve reinar entre os homens criados à imagem e semelhança do Criador, para render-lhe glória nesta e na outra vida.Com tais pressupostos, recordemos a cena de outros tempos, quando uma família se reunia junto a um altar para rezar um rosário, gesto que não raras vezes atraía muitas outras famílias naquele sagrado convívio, para se alimentarem do amor de Deus e do espírito de Fé.
Já antes da oração, enquanto os homens tratavam de seus negócios e afazeres, suas esposas trocavam notícias e a criançada brincava alegremente de rodas, separadas por sexo. Dessas famílias piedosas, quantas vocações brotavam para o sacerdócio e para os conventos?
Fruto típico e profícuo dessas famílias patriarcais foi a Madre Francisca de Jesus, fundadora, devotíssima de Nossa Senhora e de Jesus Sacramentado. Filha do Barão do Rio Negro, de Petrópolis, ela nos deixou belos exemplos de virtude ao morrer em odor de santidade.
Todos se sentiam na obrigação de se reunir e até mesmo organizar procissões com a participação da vizinhança, até o dia em que construíssem uma capela. A vida religiosa tinha tal impacto e força de propagação que, mesmo sem a presença do sacerdote, os católicos construíam oratórios, capelas, e até igrejas. Assim nascia uma aldeia na Terra de Santa Cruz, que mais tarde seria cidade. Aquele monumento era o seu ponto de referência. Era outro mundo, outra época, outro povo que vivia sob a sombra da Cruz e bafejado pelas saudáveis influências da doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo.
A manifestação da piedade se encontrava centrada na freqüência aos Sacramentos e à oração, acompanhados dos atos de devoção. Não havia féretro que deixasse de passar pelo recinto sagrado da capela da aldeia, a fim de receber a bênção dos funerais com cuidado e devoção. O contraste gritante com os nossos dias, quando os defuntos são transportados para o cemitério sem passar pela igreja, faz-nos lembrar a máxima latina: “Talis vita, finis ita”. Tal vida, tal morte! Como se viveu sem praticar a santa religião, assim também morreu e será sepultado. No Brasil de outrora, a vida social girava em torno da Igreja: quer no batismo, na crisma, na primeira comunhão, nos matrimônios, na assistência à missa dominical, nas festas litúrgicas e religiosas, quer nos sepultamentos. Hoje, se o vigário não for zeloso, quase todos morrem sem assistência espiritual.
Obs:
O presente artigo foi retirado do Blog Pe David Francisquini: http://blogpedavid.blogspot.com/ e foi postado em nosso Blog com o consentimento do editor do mencionado Blog o Sr Hypólito Neto.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Julgamento e punição pelos pecados

Em todas as coisas, considera o fim: que atitude assumirá perante o rigor do juiz? Nada lhe é oculto, nenhum presente o dobra e não aceita desculpas, mas julga segunda a reta justiça, miserável e louco pecador! Que responderás diante de Deus, que conhece todo o mal que fizeste, tu que tens medo de um homem encolerizado? Por que não precaver-te para o dia do julgamento? Naquela hora, ninguém poderá encontrar em outro desculpa nem defesa: cada qual será pesado fardo para si mesmo! É agora que teu labor produz frutos, que teus prantos podem ser aceitos, teus gemidos escutados, é agora que teu sofrimento pode compensar e purificar tua falta.
O homem paciente possui um salutar meio de purificação: acabrunhado pelas injúrias, desola-se mais com a maldade do outro do que com a injúria que lhe é feita; não hesita em orar pelos adversários e perdoar as faltas do fundo do coração; não tarda em pedir perdão aos outros; cede mais facilmente a misericórdia do que a cólera; sempre faz violência a si mesmo e esforça em todas as coisas por submeter a carne ao espírito.
É melhor expiar agora os próprios pecados e eliminar o mal em si do que deixar a purificação para mais tarde. Na verdade, o amor desordenado que dedicamos à natureza nos prejudica a nós mesmos.
Esse fogo devorará os teus pecados, nada além disso. Quanto mais te poupas agora e segue tua natureza, mais rude será o castigo que te espera e mais matéria guarda para ser consumida. A pessoa é mais gravemente punida por onde pecou mais. Lá os preguiçosos serão atormentados Poe aguilhões de fogo e os glutões atazanados por uma fome e sede imensas. Lá os sensuais e amantes das volúpias serão banhados de pez ardente e enxofre nauseabundo, e os invejosos berrarão de dor como cães furiosos.
Nenhum vício deixará de ter seu próprio suplício. Os orgulhosos serão cobertos de confusão e os avaros conhecerão as aflições da miséria e da indigência. Lá, uma hora se castigo será mais atroz do que cem anos de amarga penitência neste mundo. Lá, não existe repouso, nenhuma consolação para os condenados: aqui neste mundo, de tempos a tempos, vemos o fim do sofrimento e encontramos prazer nas consolações dos amigos.
É agora que deves preocupar-te com teus pecados e suportar os castigos que lhes são devidos, a fim de que no dia do julgamento estejas em segurança com os bem-aventurados. Então os justos se erguerão com grande firmeza, diante dos que os oprimiram e humilharam (Sb 5,1). Então estará de pé para o julgamento aquele que agora se submete humildemente aos julgamentos dos homens. Então o pobre e o humilde estarão cheios de confiança, ao passo que o orgulhoso será assaltado pelo medo de todos os lados.
Ent
ão se verá que era sábio neste mundo aquele que havia aprendido a ser louco e desprezado por causa de Cristo (ef. 1 Cor 4,10). Então se verá a utilidade de toda provação sofrida com paciência, e toda iniqüidade fechará a boca (Sl 106, 42). Todo homem de oração e alegrará e se afligirá todo ímpio. E natureza manifestará mais alegria pelo sofrimento suportado do que se tivesse sido sempre alimentada com Delícias; um hábito grosseiro resplandecerá, enquanto uma roupa de gala perderá seu brilho; uma moradia pobre merecerá mais louvores do que um palácio dourado; uma paciência constante será mais útil do que todo o poder do mundo; uma simples obediência será mais gloriosa do que toda a astúcia do mundo.
Então uma boa consciência produzirá mais alegria do que uma sábia filosofia; o desprezo pelas riquezas terá mais peso do que todos os tesouros da terra; uma oração ardente produzirá mais consolação do que saborosas iguarias; terás mais alegria por ter guardado silêncio do que por ter jogado fora milhões de palavras. Ali as ações santas terão mais valor do que muitas belas frases. Então vida austera e rude penitência parecerão preferíveis a todo o prazer terrestre.
Aprende a sofrer um pouco agora, a fim de seres, mais tarde, libertado, das penas mais graves. Começa treinando agora o que serás capaz de suportar mais tarde. Se não és capaz de sofrer agora nem um pouco, como poderás suportar os tormentos eternos? Se agora um leve sofrimento supera o que és capaz de suportar, que acontecerá quando estiveres na Geena? Na verdade, não podes experimentar as duas alegrias ao mesmo tempo: a das delícias do mundo e, mais tarde, a de reinar com Cristo (ef. Ap 20, 4).
Se até hoje tivesses sempre vivido nas horas e nos prazeres, de que te serviria tudo isso, se agora mesmo viesses a morrer? Tudo é vaidade (Ecl 1,2), a não ser amar a Deus e só a ele servir (Livro I, 1, 4). Quem ama a Deus de todo o coração não teme a morte, nem o suplício, nem o julgamento, nem o inferno. Porque o amor perfeito abre o acesso seguro para Deus. Não é de estranhar que aquele que ainda encontra prazer em pecar tema a morte e o julgamento. Contudo, se o amor não consegue arrancar-te do mal, convém que pelo menos o fogo do inferno a isto te obrigue. Quem coloca em segundo plano o temor de Deus não poderá permanecer por muito tempo no bem, pois depressa cairá nas redes do diabo.

Fonte:
A imitação de Cristo.

sexta-feira, 18 de junho de 2010


O Maná: pré-figura da Sagrada Eucaristia

Fonte:Catolicismo, junho de 1992


Saídos do Egito, os hebreus caminhavam agora pelo deserto. E sentindo fome, murmuraram contra Deus.
“E o Senhor falou a Moisés, dizendo: Eu ouvi as murmurações dos filhos de Israel; dize-lhes pois: à tarde comereis carnes e pela manhã sereis saciados de pães; e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus”.
Codornas e maná
“Aconteceu, pois, de tarde virem codornizes, que cobriram os acampamentos; e pela manhã havia uma camada de orvalho em redor dos acampamentos. E tendo coberto a superfície da terra, apareceu no deserto uma coisa miúda à semelhança de geada sobre a terra.
“Tendo visto isto os filhos de Israel disseram entre si: Manhu? que significa: Que é isto? E Moisés disse-lhes: Este é o pão que o Senhor vos dá para comer. Ninguém deixe dele até (amanhã) de manhã. Mas eles não lhe deram ouvidos, e alguns conservaram até de manhã, e ele começou a ferver em vermes e apodrecer. Moisés, pois, irou-se contra eles.(1)
“Todos começaram então a apanhar quantidade suficiente para um dia. Só no sábado se conservava, porque, querendo Deus que esse dia lhe fosse exclusivamente consagrado e empregado em obras de religião, não fazia descer o maná; cada qual procurava, pois recolher o dobro na sexta-feira”.(2)
Possuía todos os sabores
“Alimentaste o teu povo com o alimento dos anjos, e deste-lhe o pão, vindo do céu, preparado sem trabalho, que tinha em si toda a delícia e a suavidade de todo o sabor.
"Porque este alimento mostrava a doçura que tens para com teus filhos, porque, acomodando-se à vontade de cada um, transformava-se no que cada um queria.(3).
"E os filhos de Israel comeram maná durante quarenta anos, até chegarem aos confins do país de Canaã".(4)
Deus “deu-te [ó Israel] por sustento o maná, que tu desconhecias e teus pais, para te mostrar que o homem não vive só do pão, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus".(5)
No tabernáculo durante séculos
“E Moisés disse a Aarão: Toma um vaso, e mete nele maná; e põe-no diante do Senhor para se conservar pelas vossas gerações. E Aarão o pôs no tabernáculo para ser conservado.(6)
“Por um outro prodígio, este mesmo maná, o qual não podia ser guardado de um dia para o outro sem se corromper, exceto no sábado, conservou-se numa urna do tabernáculo [e depois na Arca da Aliança] durante séculos”.(7)
Pré-figura da Sagrada Eucaristia
“O maná é figura da Sagrada Eucaristia, que conforta o homem a caminhar no deserto deste mundo, em direção à verdadeira terra prometida, que é o céu”.(8)
Disse Nosso Senhor aos judeus: “Eu sou o pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. (Mas) este é o pão que desceu do céu, para que aquele que dele comer não morra. Eu sou o pão vivo, que desci do céu. Quem comer deste pão, viverá eternamente; e o pão que eu darei, é a minha carne (que será sacrificada) para a salvação do mundo”.(9)
“O novo maná, recebido com disposições convenientes, transforma-se em todos os desejos da alma fiel: fé, esperança, caridade, humildade, doçura, paciência, arrependimento filial, zelo ardente, coragem invencível, santa alegria”.(10)
Após ministrar a comunhão, fora da Missa, o sacerdote reza a seguinte oração:
“Vós lhes destes o pão do céu, que contém em si todos os sabores”.
____________
Notas:
1. Ex. 16, 11-20.
2. São João Bosco, História Sagrada, Livraria Editora Salesiana, São Paulo, 1965, 14ª.ed., p. 77.
3. Sb. 16, 20-21.
4. Ex. 16,35.
5. Deut. 8, 3.
6. Ex. 16, 33-34.
7. Padre Rohrbacher, Histoire Universelle de L’Égise Catholique, Gaume Frères, Paris, 1842, t.1, p.384.
8. São João Bosco, op. cit., p. 77.
9. Jo. 6, 48-52.
10. Padre Rohrbacher, op. cit., p. 384.

sábado, 24 de abril de 2010






Filial Solidariedade ao Santo Padre o Papa.




Clique aqui para assinar o abaixo-assinado em defesa do Papa.


Instituto Plinio Correa de Oliveira



...Com uma hipocrisia que tem poucos antecedentes na História, os intelectuais, líderes políticos e órgãos de imprensa e televisão que destroem sistematicamente a inocência das nossas crianças e adolescentes — pela difusão incessante da pornografia e a promoção de uma cultura na qual “é proibido proibir” — hoje rasgam as vestes diante do abuso sexual de crianças praticado por um certo número de sacerdotes e religiosos indignos. Pior ainda: tais correntes ditas “avançadas” ousam culpar por esses abusos ignóbeis a própria Igreja, a qual, pela sua incessante pregação da moral evangélica, não somente ergueu o mundo pagão do lodaçal de uma corrupção moral desbragada, mas, ao longo de vinte séculos, foi o baluarte da virtude da pureza!...
...Os fomentadores dos ataques contra o Santo Padre desejam, na realidade, silenciar a voz do Sumo Pontífice, porque ela se ergue para defender as raízes cristãs da civilização ocidental e para pleitear o direito da Igreja Católica de intervir no debate público a respeito das grandes questões culturais e sociais contemporâneas, à luz do Evangelho. O que contraria os planos daqueles que, em nome do laicismo de Estado, querem até eliminar dos lugares públicos o mais sagrado símbolo religioso — o crucifixo, que nos recorda o padecimento e a morte de nosso Divino Redentor...
...Ao manifestarmos nosso total repúdio à ignóbil campanha de calúnias a Sagrada Pessoa do Papa e ao expressar-Lhe nossa solidariedade, não somos movidos apenas pelo sentimento filial que anima os fiéis católicos ao ver o doce Vigário de Cristo na Terra atacado pelas hostes do mal. Sabemos bem que Ubi Petrus, ibi et Ecclesia (onde está Pedro, aí também está a Igreja). Por isso, queremos fazer ao mesmo tempo um ato de fé na Igreja Católica e, em particular, naqueles ensinamentos perenes de seu Magistério que a “ditadura do relativismo” deseja ver eliminados da nossa legislação e de nossas vidas...
...Em meio da borrasca, os corações de milhões de brasileiros acompanharão o Papa em sua corajosa defesa dos direitos de Deus e dos “valores não negociáveis”, com suas preces, com seu fervor filial e com a energia que lhes vem do sacramento da Confirmação que os transformou em autênticos soldados de Cristo...
...Dirigindo a Deus e a Nossa Senhora nossas preces do mais fundo de nossos corações, depositamos aos pés do Santo Padre o Papa Bento XVI nossas mais respeitosas e filiais homenagens...

Clique aqui para assinar o abaixo-assinado que o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira esta promovendo em defesa do Papa.


Convoque seus amigos católicos e ajude a divulgar esta mobilização em defesa do Papa.


domingo, 28 de fevereiro de 2010

O JEJUM E A ABSTINÊNCIA

Neste inicio de Quaresma queremos indicar este texto com explicações práticas extraído do site da Capela N.S. da Conceição de Dom Lourenço Fleichman OSB.



Com o intuito de fazer penitência por nossos pecados, de melhor nos dispor para a oração e de estar unidos aos sofrimentos de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Santa Igreja nos pede, nos tempos de penitência, que ofereçamos jejum e abstinência a Deus.
O Jejum:
Praticado desde toda a Antiguidade pelo povo eleito, como sinal de arrependi­mento, praticado por Nosso Senhor Jesus Cristo e por todos os santos, recomendado pela Santa Igreja como instrumento de santificação da alma, de controle do corpo e equilíbrio emocional, o jejum obrigatório foi sendo reduzido ao longo dos séculos. Quando devemos jejuar por obrigação?
Na Quarta-feira de cinzas, abertura da Quaresma.
Na Sexta-feira Santa, dia da morte de Nosso Senhor.
No entanto, todos os católicos devem ter a mortificação e o jejum presentes em suas vidas ao longo do ano, principalmente durante o Advento, a Quaresma e nas Quatro Têmporas, tendo sempre o espírito mortificado, fugindo do excesso de conforto e prazeres e, na medida do possível, oferecendo alguns sacrifícios a Deus, seja no comer, no beber, nas diversões (televisão principal­men­te), nos desconfortos que a vida oferece (calor, trabalho, etc.), sabendo suportar os outros, tendo paciência em tudo.
Assim sendo, mesmo não sendo obrigatório, continua sendo recomendado o jejum nas Quartas e Sextas da Quaresma e do Advento, guardando-se sempre o espírito pronto para as pequenas mortificações também nos demais dias.
Quem deve jejuar?
As pessoas maiores de 21 anos são obrigadas. Mas é evidente que os adolescentes podem muito bem oferecer esse sacrifício sem prejuízo para a saúde.
Quanto às crianças menores, mesmo alimentando-se bem, devem ser orientadas no sentido de oferecer pequenos sacrifícios, e acompanhar a frugalidade das refeições.
As pessoas doentes podem ser dispensadas (é sempre bom pedir a permissão ao padre).
As pessoas com mais de sessenta anos não têm obrigação de jejuar, mas podem fazê-lo se não houver perigo para a saúde.
Como jejuar nos dias de jejum obrigatório?
- Café da manhã mais simples que de hábito: uma xícara de café puro, um pedaço de pão, uma fruta.
- Almoço normal, mas sem carne (peixe pode), sem doces e sobremesas mais apetitosas, sem bebidas alcoólicas ou refrigerantes.
- No jantar, um copo de leite ou um prato de sopa, um pedaço de pão, uma fruta.São inúmeras as passagens das Sagradas Escrituras referentes ao jejum.
Eis algumas poucas referências:
- II Reis XII,16
- Tobias XII,8
- Daniel I, 6-16
- S. Mateus IV,1
- S. Mateus VI, 17
- S. Mateus XVII,20
- Atos XIV,22
- II Coríntios VI,5
A Abstinência de carne
Dentro do mesmo espírito de mortificação, pede-nos a Santa Madre Igreja a mortificação de não comer carne às sextas-feiras, o ano todo, de modo a honrar e adorar a santa morte de Nosso Senhor. (ficam excluídas as sextas-feiras das grandes festas, segundo a orientação do padre).
A abstinência ainda é praticada e, diferente do jejum, começa desde a adolescência, a partir dos quatorze anos.
Nas sextas-feiras do ano, e mais ainda durante os tempos de penitência, saibamos oferecer esse pequeno sacrifício a Nosso Senhor. Se vamos a um restaurante, peçamos peixe (muitos restaurantes ainda hoje servem pratos de peixe nas sextas-feiras).
O Jejum eucarístico
O jejum eucarístico é o fato de se comungar sem nenhum alimento comum no estômago, em honra à Santíssima Eucaristia.
O espírito do jejum eucarístico é de receber a Santa Comunhão como primeiro alimento do dia. Quando o Papa Pio XII modificou a disciplina do jejum eucarístico, devido à guerra, salientou que todos os que podiam deviam praticar esse jejum, chamado natural : só tomar alimento depois da comunhão. Quem assiste à Santa Missa cedo pode, muitas vezes, praticar esse jejum.
Apesar da lei eclesiástica em vigor determinar apenas uma hora antes da comunhão para o jejum eucarístico, todos os padres sérios pedem a seus fiéis que se esforçem para deixar três horas, visto que uma hora não chega a ser nem mesmo um sacrifício.
Caso as crianças ou pessoas debilitadas precisarem tomar algo antes da comunhão, com menos de três horas, procurem, ao menos, tomar apenas líquido, um copo de leite, por exemplo. Porém, tendo se alimentado com menos de uma hora antes da hora da comunhão, não se deve, de modo algum, se aproximar da Sagrada Mesa.
O jejum, a abstinência e o confessionário
Como o jejum e a abstinência fazem parte dos mandamentos da Igreja, devemos nos empenhar para praticá-los por amor de Deus. Caso haja alguma negligência ou fraqueza da nossa vontade que nos leve a quebrar o santo jejum ou a abstinência, devemos nos arrepender por não termos obedecido ao que nos ordena nossa Santa Madre Igreja, confessando-nos por termos assim ofendido a Deus.
Nos casos de esquecimento, devemos substituir essa obra por outra equivalente, como fazer o jejum em outro dia, rezar um terço, etc.É sempre bom lembrar que a água pura não quebra o jejum.
As pessoas inclinadas à mortificação e ao jejum não devem nunca determinar um aumento de penitência sem o consentimento explícito do sacerdote responsável. O demônio usa muito o excesso de penitência corporal para enfraquecer a alma. Tudo fazer na obediência.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Virgem Santíssima do Bom Sucesso




No longínquo século XVI chegaram à cidade de Quito, no Equador, cinco freiras vindas da Espanha, acompanhadas de uma menina ainda postulante, chamada Mariana, para fundar o Mosteiro da Imaculada Conceição. Favorecida com graças especiais, perseguida tenazmente pelo demônio, ela se tornou símbolo da luta pelo bem entre suas irmãs de hábito e mais tarde foi eleita priora do convento. Teve que enfrentar péssimas freiras que se revoltaram contra ela, a caluniaram e chegaram a jogá-la na prisão do convento.
No dia 02 de fevereiro de 1594, à uma hora da madrugada, Madre Mariana de Jesus Torres rezava prosternada com a face no chão, quando percebeu que alguém estava diante dela. Uma voz doce chamou-a pelo nome. “Era uma belíssima dama sustentando em seu braço esquerdo o menino-Deus, segurando com a mão direita um báculo de ouro adornado de pedras preciosas.” Essa dama disse: “Sou Maria do Bom Sucesso.” Nossa Senhora deu o menino - Jesus para Madre Mariana que O apertou contra o seu coração. A Virgem Maria ali ficou até as 3 horas da manhã. Mandou então que fosse esculpida uma imagem para representá-la: “É vontade de meu Filho Santíssimo que tu mesma mandes executar uma estátua minha, tal como vês, e a coloques sobre a cátedra da Priora. Colocareis em minha mão direita o báculo e as chaves da clausura, em sinal de minha propriedade e autoridade. Colocarás em minha mão esquerda o meu Divino Filho. Eu mesma governarei este meu convento”. Prometeu que a devoção a Ela, sob o nome de Nossa Senhora do Bom Sucesso, seria o para-raio entre a justiça divina e o mundo prevaricador.
A pedido da Rainha dos Anjos e para saber que altura deveria ter a imagem a ser esculpida, madre Mariana retirou o cordão que lhe cingia a cintura e com ele mediu com as próprias mãos a altura da Mãe de Deus. “Dê-me o cordão franciscano que trazes na cintura” – disse lhe a Virgem. No mesmo momento os três Arcanjos, São Miguel, São Gabriel e São Rafael, que A assistiam, fizeram uma profunda reverência diante de Nossa Senhora, e com enorme respeito ergueram a coroa. Ela, então, tomou o cordão e colocou uma das extremidades sobre sua cabeça e ordenou que Madre Mariana tocasse com a outra nos seus pés. Ora, como o cordão era muito curto, houve um milagre e ele esticou-se até alcançar a altura exata da Virgem.
“Aqui tens, minha filha, a medida de tua Mãe do Céu... explique minhas feições e minha postura... Tu, de tua parte, ajuda-o (o escultor)
com tuas orações e com teu humilde sofrimento”.
Cheia de encanto, a Madre tomou aquela preciosíssima relíquia, e durante toda a vida a levou consigo.
Tendo o escultor iniciado a obra não conseguia conclui – lá. Entretanto, na madrugada do dia 16 de Janeiro de 1611, vieram os três Arcanjos e a completaram miraculosamente. Pouco depois, Nossa Senhora em pessoa penetrou na imagem e esta como que tomando vida cantou o Magnificat. Isso aconteceu às 3 horas da manhã. Tudo foi presenciado por Madre Mariana. Na manhã desse dia as freiras do convento ouviram melodias harmoniosas e o claustro todo iluminado por uma luz celestial; outro sopro, outras mãos haviam modelado aquela maravilha.
No dia seguinte, quando o escultor chegou e viu a imagem assim concluída, caiu de joelhos e exclamou: “Madre, que vejo? Esta primorosa Imagem não é obra minha! Não sei o que sente o meu coração, mas é obra angélica, pois um trabalho desse gênero não se pode produzir na terra com mão de frágil barro. Oh não! Escultor algum, por hábil que seja, poderá jamais imitar sequer tanta perfeição e tão maravilhosa beleza”.
Levantando-se em seguida, pediu um papel e tinta para lavrar um documento, jurando que aquela bendita Imagem não fora obra sua, mas de anjos, porque a encontrara acabada e de outra maneira, que não era aquela deixada no coro superior do mosteiro.
Várias outras aparições se sucederam, nas quais a Virgem Santíssima, em pleno século XVI e o começo do século XVII, falou das terríveis provações que haveria no terrível século XX. A imoralidade e a falta de Fé estariam por toda a parte: “No século XIX – em seu término – e em grande parte do século XX, várias heresias se propagarão por estas terras, então república livre. Apagar-se-á nas almas a luz preciosa da Fé, por causa da corrupção quase total dos costumes. Nesse tempo haverá grandes calamidades, físicas e morais, públicas e privadas. O restrito número de almas nas quais se conservará o culto da Fé e das virtudes sofrerá um cruel e indizível padecimento, a par de prolongado martírio...
“Nestes tempos, a atmosfera estará saturada do espírito de impureza, o qual a maneira de um mar imundo, correrá pelas ruas, praças e lugares públicos, numa liberdade assustadora, de tal modo que não haverá no mundo almas virgens...
“Para libertar da escravidão dessas heresias, aqueles a quem o amor misericordioso de meu filho Santíssimo destinar para esta restauração, precisarão ter grande força de vontade, perseverança, coragem e muita confiança em Deus. Para por a prova, nos justos, esta Fé e confiança, haverá momentos em que tudo parecerá perdido e sem possibilidade de andar. Então será o princípio feliz da restauração completa... Terá chegado a minha hora, na qual, de maneira magnífica e impressionante, destronarei o soberbo satanás, colocando-o sob meus pés, acorrentando-o no abismo infernal, e libertando por fim a Igreja e a pátria dessa cruel tirania”. (apud “El Ecuatoriano”, 04-04-1951).
Ao longo dos séculos a Sagrada Imagem de Nossa Senhora do Bom Sucesso não só protegia o convento da Imaculada Conceição de Quito, mas foi penhor de contínuas graças para a cidade e para todo o país.
Sobre a Virgem do Bom Sucesso narram às freiras um fato maravilhoso: às vezes, pela manhã, as extremidades de Seu manto aparecem molhadas a indicar que durante a noite andou Ela pelos jardins do convento, como boa priora, a vigiar, impregnando assim Seu manto com o orvalho da madrugada.
O que impressiona nas revelações de Nossa Senhora do Bom Sucesso é a previsão de fatos que se cumpriram nos séculos seguintes, entre os quais cumpre destacar a descrição da crise e dos castigos previstos em Fátima para os nossos dias.
Muitos são os fiéis que recebem graças pela intercessão de Nossa Senhora do Bom Sucesso. Em nossos dias podemos, e é claro, devemos pedir a Nossa Senhora por todas nossas necessidades particulares, por nossa família, pelos jovens, por nossos amigos e benfeitores, enfim, tudo o que necessitamos, mas, sobretudo, pedir para que Nossa Senhora do Bom Sucesso abrevie os presentes dias de calamidade.



Oração de São Bernardo


Lembrai-vos ó piíssima Virgem Maria que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que tem recorrido a Vossa proteção, implorado Vossa assistência e reclamado Vosso socorro, fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, com igual confiança, a Vós, ó Virgem entre todas singular, como minha Mãe recorro, de Vós me valho e, gemendo sob o peso de meus pecados, me prosto a Vossos pés. Não desprezeis as minhas súplicas. Ó Mãe do filho de Deus humanado, mas dignai-vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que Vos rogo. Assim Seja.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Caríssimo leitor e seguidor!

Anuncío um novo desafio!

Em breve teremos uma "revista" com leituras espirituais, página aos Jovens,leituras bíblicas, meditações, leitura mariana etc. Já estamos caminhando para desafio.
Para a primeira edição sera uma grande alegria enviar gratuitamente aos amigos e seguidores do nosso orkut e blog,um exemplar para que conheçam a revista e nos ajudem a divulgar a doutrina e os ensinamentos da nossa Fé Católica.
Por este motivo deixo aqui uma pergunta e um pedido de apoio neste sentido. Posso contar com você? Vamos espandir nossa Fé e auxiliar a Santa Igreja na salvação das almas?
Envie sua opinião e resposta a este convite para o nosso e-mail ou deixe seu comentário no fim desta nota:
defendeinos.nocombate@gmail.com
Contamos com sua participação e apoio nesta "cruzada" em defesa da Fé Católica Apostólica Romana!